(85) 99602-6421
marketingproativajr@gmail.com
UFC - Campus do Pici, Bloco 711
Mídias Sociais:

Planejamento Estratégico: O que é? Qual a importância? E como fazer na minha empresa?

Uma das maiores dificuldades dos gestores na atualidade é estabelecer metas de crescimento para o empreendimento e desenvolver uma cultura de resultados nos colaboradores. O planejamento estratégico (P.E.) é um conjunto de etapas e de ferramentas que visa auxiliar o crescimento saudável do seu empreendimento, desde a criação de objetivos e de metas até a elaboração dos planos de ação para atingir os objetivos da empresa. Realizar um planejamento na empresa requer muito empenho e disciplina dos diretores, visto que é algo que demanda tempo para ser elaborado e, principalmente, para acompanhar e corrigir os possíveis erros que aparecerão.

Por que é importante?– Metas claras- Criar um anseio por crescimento nos colaboradores- Cultura fortalecida- Dados para melhor tomada de decisão- Entendimento do mercado que está inserido- Organização e implementação de ideias e de boas-práticas

Como fazer?O planejamento estratégico ocorre em 3 etapas que buscam, além de elaborar as metas, entender a situação da empresa de maneira externa e interna. Essa é a primeira parte do projeto de estratégia, a qual é denominada por análise do ambiente. Em seguida, há a fase de elaboração da estratégia. Por fim, a implementação, a qual serão levantados e analisados os planos de ação que devem ser aplicados para cumprimento das metas levantadas.

1. Análise de ambiente

– SWOT: A matriz SWOT é uma ferramenta que busca entender o contexto interno e externo da empresa. A matriz deve ser preenchida levantando características positivas e negativas da empresa, para isso é dividido em S (strenght; força) e W (weakness; fraquezas), as quais consideram o contexto interno do negócio, ou seja, pontos positivos e pontos negativos, a fim de entender o que pode ser melhorado e o que pode ser potencializado. Além disso, há outra divisão em O (opportunity; oportunidades) e em T (threats; ameaças), as quais avaliam pontos externos a empresa, ou seja, que não estão sobre o domínio da instituição, mas que podem ser aproveitadas.

– 5 Forças de Porter:As forças de Porter são importantes para definir quais as prioridades que devem ser otimizadas e quais precisam ser remediadas. Os aspectos abordados são possibilidade de entrada de novos concorrentes, rivalidade entre as empresas, ameaça de produtos substitutos, poder negociação dos compradores e poder de barganha dos fornecedores. Para cada aspecto são abordadas algumas perguntas que devem ser pontuadas de zero a cinco a fim de fornecerem a melhor análise como base de tomadas de decisão. Para isso é importante que todos os sócios busquem chegar a consensos em reuniões.

2. Elaboração da estratégia

– Missão, visão e valores:Para nortear o crescimento e conseguir registrar a cultura da empresa, tais conceitos devem não só ser aplicados, mas internalizados pelos colaboradores. A missão é a razão pelo qual a empresa existe e deve ser elaborada a partir do principal motivo para aquela instituição existir. Vale ressaltar que a missão é para ser imutável, havendo poucos ajustes no longo prazo. Os valores são interpretados como características que os membros da empresa devem ter para trabalhar ali, tornando-se um auxílio para o processo de recrutamento de funcionários. Já a visão funciona como um objetivo macro da instituição, visando se tornar algo e, geralmente, com um referencial de tempo, como “…se tornar líder do setor em 3 anos…”. É válido pesquisar missão, visão e valores de outras empresas para tomar como base na hora de elaborar a sua.

– Criação de objetivos, de metas e de indicadores:Baseados na visão, anteriormente criada, é preciso estabelecer objetivos, indicadores para esses objetivos e metas a serem alcançadas. É importante determinar a diferença entre cada um, visto que é muito comum confundir na hora de elaborar. Objetivos são sentenças ou enunciados mais qualitativos, um exemplo corriqueiro seria “aumentar o faturamento”. Já os indicadores funcionam como dados que devem ser coletados para saber se aquele objetivo foi cumprido, ou seja, no exemplo o principal indicador seria o quanto a empresa faturou em determinado tempo. Vale salientar que um objetivo poderá ter mais de um indicador e mais de uma meta. Esta se baseia aonde você quer chegar, nessa situação seria “faturar X reais” ou “faturar 110% a mais”. Outro ponto relevante é que o ideal seja levantar apenas objetivos que realmente são importantes para os gestores. Para facilitar seria responder a tal pergunta: “O que eu preciso mensurar para saber se minha empresa está fazendo sucesso e se isso será perene?”.

3. Implementação

Nessa fase do projeto é imprescindível contar com a vivência e com um pouco de criatividade dos responsáveis por estarem elaborando o projeto, já que essa parte visa colocar em prática planos de ações que auxiliem no cumprimento da meta. Para isso é importante ter noção de boas práticas que possam ser implementadas. Além disso, soluções criativas para problemas críticos são bem-vindas.

Conclusão

Se você se interessou por este artigo e acha que estas soluções podem ser aplicadas na sua empresa, talvez seu negócio esteja precisando de um serviço de gestão estratégica. Comente o que você achou e nos conte como pretende aplicar essas ações nos seus negócios!

Deixe um comentário

Review

*

Estamos online